23/07/2014 às 19h50m


Reinventando a si mesmo

Se você pretende ser uma pessoa mais feliz, próspera, bem-sucedida e de bem com a vida, não deixe passar em branco a oportunidade que se abre quando se instala uma crise de identidade. Quando isso lhe acontecer, agarre essa chance e embarque em uma viagem rumo a um território desconhecido: você!

É a sua oportunidade de reinventar-se e, conseqüentemente, de mudar sua história de vida! Em vez de ficar se lamentando pelo que passou ou adiando a sua felicidade para o futuro, comece a viver o aqui e agora. Fazer isso não é tão simples como trocar de roupa ou mudar radicalmente o visual. Exige muito empenho e determinação, pois se trata de uma mudança que começa lá dentro e, pouco-a-pouco, vai se refletindo no seu exterior. 

Primeiro, fique atento às novas possibilidades de enxergar o mundo. Há muitas maneiras de enxergar o mundo, mas quase sempre preferimos ficar com uma, que nos aloja numa zona de conforto, que não-necessariamente é o melhor lugar onde poderíamos estar. Muitas vezes, tudo de que precisamos para nos reencontrar é sair da zona de conforto e olhar o mundo com outros olhos.

Só podemos viver melhor o presente e criar o futuro que quisermos para nós se refizermos a parte do nosso passado que nos gera sofrimento e dor; se jogarmos fora a pesada bagagem emocional que nos impede de caminhar suavemente pela vida. Na verdade, tudo o que você tem de fazer é trocar a cor das lentes com as quais você olha para pontos nevrálgicos da sua vida. Tem de fazer uma reinterpretação dos fatos para ressignificar o passado, alterando sua influência no presente e, por conseqüência, no futuro. 

Cedo ou tarde, quase todo mundo é convocado a enfrentar o passado. O que aconteceu, aconteceu, não pode ser modificado. Mas você pode modificar a sua maneira de ver, de compreender e de sentir fatos que aconteceram na sua vida.

Isso é possível por que somos animais lingüísticos, e porque a interpretação que fazemos dos fatos costuma ser mais relevante que o acontecimento em si. Portanto, muda-se a interpretação e o fato ganha outro significado.

A significação dos fatos que aconteceram no passado é feita a partir de nosso sistema de crenças, que quase sempre é formado na primeira infância (fase que vai do nascimento até os 7 anos de idade, aproximadamente). Mas a qualquer momento é possível trazer à tona uma crença ou um acontecimento dar-lhe outra interpretação. 

Reinterpretando de modo positivo um fato que o marcou negativamente, você transforma trauma em experiência. Lembre-se de que só você tem poder sobre a sua vida. Você é o único responsável por ela; portanto, em vez de ficar se lamentando pela bronca que levou do seu pai quando era pequeno ou de ter sido humilhado pelo seu chefe diante seus colegas, vá a luta e transforme seus traumas em experiências de vida! Tire proveito dos acontecimentos do passado como verdadeiras lições para o futuro e liberte-se do insuportável fardo que o impede de seguir em frente!

Faça uma visita ao passado, mas a partir do que você é agora, com toda a sua bagagem de vida. Certamente, visto sob um novo ponto de vista, aquilo que você codificou como trauma até que não foi tão ruim, não é mesmo? O ser humano pode mudar a realidade contando apenas com uma idéia. Então, que tal recriar o seu passado a partir do presente e moldar o seu futuro, de acordo com seus ideais? 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br 

Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: profissional, vida, identidade, sucesso, feliz


Compartilhe:



16/07/2014 às 19h18m


Novos tempos, nova liderança

O papel do novo líder é cultivar o maior bem das organizações: o capital humano. Cabe-lhe promover a humanização do ambiente de trabalho, valorizando o potencial de sua equipe e contribuindo para que sejam criadas novas formas de relacionamentos, em que tanto o empregado quanto o empregador sejam beneficiados.

Empresas que não valorizam o capital humano nem investem em seu desenvolvimento correm o risco de ser engolidas pelo mercado, pois seus melhores profissionais começam a migrar para organizações que lhes dêem a oportunidade de conquistar o sucesso fazendo o que gostam e do modo como gostam de fazer.

Toda empresa necessita de pessoas com talento; mas, além de encontrá-las, é preciso mantê-las. E isso não se faz só com dinheiro. Dinheiro funciona como motivador de curto prazo, pois as pessoas querem oportunidades de crescimento que, se a empresa não lhes der, a concorrência dará!

Hoje, pessoas competitivas abrem mão de um emprego estável para ir atrás de novos desafios, conquistar novas metas e ser mais bem remuneradas. Para as empresas, é mais econômico descobrir essas pessoas em seu quadro de funcionários e criar condições para que evoluam do que encontrá-las no mercado, e cabe ao novo líder identificá-las e ajudá-las a se desenvolverem. 

Equipes, hoje, não precisam de líderes que tenham respostas para tudo, mas que as levem a encontrar as melhores soluções e contribuam para o crescimento individual de cada integrante do grupo. Alinhando-se à necessidade de crescimento do grupo, o líder consegue motivar e integrar toda a equipe, que produzirá sempre os melhores resultados. Nesse cenário, ele pode assumir os papéis de patrocinador, mentor, avaliador, modelo ou professor do grupo.

Em suma, o novo líder precisa conhecer-se mais do que se deixar conhecer, ser transparente em suas atitudes e decisões e ter sensibilidade para perceber as necessidades e anseios dos outros. Além disso, tem de ser proativo, criativo e ético, sabendo exercer autoridade sem autoritarismo e sendo capaz de tomar decisões rápidas, sem medo de delegar nem de compartilhar informações. Ele deve, ainda, saber negociar, comunicar-se com facilidade e ter controle sobre si mesmo e a equipe. E, finalmente, tem de ouvir mais do que falar, valorizar a equipe, motivar o grupo, manter-se atento às expectativas da corporação e focado em qualidade e desenvolvimento, ter flexibilidade para mudanças e, o principal: investir sempre no seu próprio crescimento pessoal e no de seus subordinados.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br 


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: trabalho, capital humano, empresa, desenvolvimento


Compartilhe:



10/07/2014 às 07h42m


Marketing Pessoal: valorize sua marca

Certamente, você já ouviu falar em marketing pessoal, mas, não creio que tenha se convencido da importância de praticá-lo para ser bem-sucedido na vida. Por isso, apresentarei aqui alguns argumentos para você convencer-se da sua importância e dispor-se a praticá-lo imediatamente!

O primeiro passo consiste em mexer nos porões escuros da mente e jogar fora todas as suas crenças prejudiciais e destrutivas, como: 
- Dinheiro é sujo.
- Não dá pra ter tudo na vida.
- Quanto mais alto se sobe, maior é o tombo.
- É melhor ser pobre e honesto do que rico e desonesto.

Essas crenças negativas foram adquiridas lingüisticamente e, portanto, podem ser removidas também lingüisticamente. Basta querer e acreditar que afirmações positivas, declaradas com autoridade, podem ser colocadas no lugar das suas crenças negativas. 

O passo seguinte envolve autoconhecimento. Conhecendo-se, você identifica suas aptidões, talentos, fraquezas e medos, tornando-se consciente do seu ponto de partida. Nesse processo, seja realista. Olhe-se com o mesmo olhar crítico que você é capaz de lançar sobre outras pessoas. Olhe-se com isenção, sem ser muito duro nem muito complacente. Procure observar-se de fora, como se você fosse o outro. 

Por fim, descubra o que os outros pensam e falam sobre você. Mas, prepare-se, pois existe um verdadeiro abismo entre a imagem que fazemos de nós mesmos e a que os outros têm a nosso respeito. Faça os ajustes necessários para estabelecer uma congruência entre a sua auto-imagem e aquela que você projeta. Jogue limpo. Se não souber o que a outra pessoa pensa sobre você, pergunte! 

Feito isso, chegou a hora de traçar um plano de ação. Lembre-se: Marketing Pessoal é um processo de venda em que o "produto" é você. E para que os "clientes" o comprem, é preciso que você esteja comprometido consigo mesmo. Não basta uma boa embalagem. É preciso que o conteúdo seja autêntico! Você tem de acreditar em cada palavra que diz sobre si mesmo e sobre aquilo que diz que é capaz de fazer, pois se você não acreditar, dificilmente alguém acreditará.

Você sabe qual é o seu público-alvo? A quem interessa saber que você existe e que é bom em determinada atividade? Quem pagaria pela habilidade ou talento que você tem a oferecer? 

De acordo com a sua área de atuação profissional, é possível determinar um público-alvo, que deve ser cadastrado e mantido atualizado para que você possa colocar em prática uma política de relacionamento. Mas, mais importante que isso são os contatos pessoais que você pode fazer em congressos, cursos e outras atividades pertinentes à sua área de atuação. 

Quando se fala em cultivar relacionamentos, nunca é demais lembrar da Lei Paretto e concentrar-se nos 20% que poderão provocar uma melhora de 80% em sua vida! 

Como um "produto", você tem de conquistar clientes, e a interface mais importante de um produto com seus potenciais consumidores é a embalagem. No caso, sua embalagem é o seu modo de vestir-se, a sua postura pessoal e profissional, sua expressão corporal e o que você fala. Esse conjunto é a sua marca. Mantenha-se atento ao meio em que estiver inserido, procurando sempre estar adequado a ele, desenvolva suas habilidades de comunicação e mantenha-se sempre atualizado. Trabalhe para que a sua marca ocupe um lugar de destaque na mente daqueles com as quais você se relaciona, cuidando para que todo o conjunto seja harmonioso e, para que a embalagem e o conteúdo sejam congruentes! Caso contrário, o resultado pode ser devastador!


e-mail: lrsintonia@terra.com.br 

Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



Perfil

Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: