22/09/2016 às 12h50m


Leis da riqueza — Ganhar (Parte I)

Assim como a segunda-feira vem antes da terça, o ganhar vem antes das outras leis da riqueza. Sem aprender a ganhar, de nada vale saber aplicar as outras leis. 

Se você não ganha, não tem o que gastar, economizar ou investir. Ganhar não é o suficiente para a independência financeira, mas é um ingrediente fundamental e necessário.

Problema financeiro não se resolve com dinheiro. Se você está devendo o aluguel e toma dinheiro emprestado para pagar, no mês seguinte terá duas dívidas: o novo aluguel e o empréstimo.

Problema financeiro resolve-se com imaginação e criatividade. Toda riqueza é criada pela mente humana. E no ganhar está a semente de toda a riqueza.

Hierarquia de idéias

Para alavancar seus ganhos, é importante entender o conceito de hierarquia de idéias.

Em uma empresa, você preferiria ser faxineiro ou gerente de produção? Gerente de produção ou diretor executivo de engenharia e produção? Um dos diretores executivos ou presidente da empresa?

Aposto como você responderia: — Presidente da empresa!

Para fazer essa escolha, você, mesmo de forma inconsciente, percorreu a hierarquia do poder: presidente tem mais poder que diretor executivo; que, por sua vez, tem mais poder que gerente; que, por sua vez, tem mais poder que faxineiro. 

Algumas idéias são mais fortes do que outras. Certas idéias encontram-se em um nível hierárquico tão superior às demais que nem se cogita implementá-las, pois poderiam alterar toda a dinâmica mundial. 

Se você inventar algo que possa ser utilizado por um modelo específico de carro de determinada montadora, irá ganhar menos do que se a sua invenção puder ser utilizada por todos os modelos dessa montadora. Caso a sua invenção também sirva para os carros de outras montadoras, a sua fortuna será consideravelmente maior. E será maior ainda se não apenas carros, mas toda a linha de transportes, como trens, navios, aviões, etc., puder utilizá-la. Isso é um exemplo de hierarquia de idéias.

Em que nível hierárquico de idéias você está operando?


e-mail: lrsintonia@terra.com.br

Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



17/09/2016 às 10h56m


Leis da riqueza

As leis da riqueza são leis universais que mostram como ganhar, gastar, economizar e investir. Elas deveriam ser ensinadas no jardim da infância, mas nunca é tarde para aprender. 

Existe uma roda da abundância que gira impulsionada pela ação dos verbos declarar, solicitar, arriscar e agradecer. Quando você coloca esses verbos em ação, a sua roda da abundância, que é a parte metafísica necessária para quem quer viver bem, com prosperidade e abundância, entra em movimento. Entretanto, para viver bem financeiramente é preciso conhecer e praticar as leis da riqueza, que são quatro: ganhar, gastar, economizar e investir.

Essas leis são a parte concreta e objetiva da riqueza e você vai aprender sobre elas neste e nos próximos artigos. Vou lhe transmitir informações de ordem prática, mas, para implementá-las, o seu ser racional e emocional precisam estar de acordo.

Antes de prosseguir com a leitura sobre as leis da riqueza, aceite um conselho: reveja suas crenças e seus bloqueios psicológicos. Procure identificar suas travas emocionais, pois se alguma o estiver prendendo, seus planos terão dificuldade em deslanchar ou nem deslancharão. Também sugiro que você avalie seriamente suas intenções financeiras. Vou ajudá-lo a fazer isso!

Você está disposto a ser financeiramente independente?

A resposta óbvia seria: "É claro que sim! Por isso estou lendo este artigo." No entanto, se você pensar que tudo no Universo tem um preço, a resposta deixa de ser tão óbvia quanto parece. Depois de avaliar todos os problemas que as pessoas ricas têm e que as pobres não têm, se você ainda quiser ser financeiramente independente, continue lendo! 

De quanto você precisa para ser financeiramente independente?

Não adianta responder "o bastante". É preciso estabelecer uma cifra para que o seu cérebro possa trabalhar no sentido de obtê-la. Talvez, um treinamento intensivo em riqueza possa ajudá-lo a responder essa pergunta com objetividade. Se estiver disposto a fazê-lo, siga as orientações:

Imagine-se participando de um de meus cursos. A cada dia, você receberá uma certa quantia para gastar à vontade, mas só até a meia-noite. À meia-noite, você terá de me devolver o que tiver sobrado do dinheiro recebido no dia. 

1º Dia: Você tem mil dólares para gastar até a meia-noite. Em que você gastaria? 

2º Dia: Hoje, você tem dois mil dólares para gastar até a meia-noite. Em que você gastaria?

3º Dia: Hoje, vou lhe dar três mil dólares para gastar até a meia-noite. Em que você gastaria?

Imagine-se gastando uma quantia progressivamente maior a cada dia, até chegar ao fim do curso, no décimo dia, com 10 mil dólares para gastar até a meia-noite. Como você se sentiu gastando dinheiro durante dez dias seguidos? O "gastar dinheiro" tornou-se mais um problema do que um prazer? É assim que costumam se sentir muitas das pessoas que ganham dinheiro por ganhar. 

Antes de decidir-se sobre a quantia necessária à sua independência financeira, reflita sobre o exercício que acabou de fazer:

• Em que você pensava enquanto procurava modos de gastar todo o dinheiro até a meia-noite?
• Você teve algum sentimento de culpa por estar gastando tanto dinheiro?
• O que você aprendeu sobre dinheiro com esse exercício?
• Imagine o que aconteceria se, em vez de 10 dias, o curso durasse 30 ou 60 dias: gastar se tornaria um hábito ou passaria a ser um pesadelo?


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



08/09/2016 às 08h38m


A roda da abundância — Parte III

Agradecer

Costumo dizer que a gratidão é a mãe de todas as virtudes. Não digo isso porque a frase é forte e causa efeito, mas porque é a mais pura verdade.

A gratidão é como o sistema de realimentação de um processo cibernético. Ao colocar 21ºC no controle de um aparelho de ar-condicionado, você coloca inteligência em uma máquina. Sempre que a temperatura ultrapassar os 21ºC na sala onde estiver o ar-condicionado, este iniciará o processo de resfriamento; e sempre que a temperatura da sala cair abaixo dos 21ºC, este irá interromper o processo de resfriamento, mantendo a sala na temperatura determinada.

A temperatura da sala é a realimentação (feedback) para o bom funcionamento do ar-condicionado. E a gratidão é a realimentação para continuarmos recebendo aquilo que nos deixa satisfeitos.

É comum ouvirmos as pessoas dizerem que não conseguiram o que queriam ou que perderam o que tinham. Raramente as escutamos dizer que gostariam de ter determinada coisa e a conseguiram ou que não gostariam de outra e, realmente, não a têm...

Se você quer mais daquilo de que gosta, agradeça mais por aquilo que tem. E aprecie aquilo que você tem para obter aquilo que quer!

Quando a roda da abundância é impulsionada pelos atos de declarar (declarações têm o poder de mudar a realidade se feitas com autoridade), solicitar (só recebe quem solicita) e arriscar (quem arrisca, confia, e é retribuído por isso), ela está girando a seu favor. E, quando a roda gira a seu favor, você não precisa mais fazer tanto esforço, pois o movimento se torna natural. Certo? 

— Quase certo! Falta fazer a sua parte e agradecer ao Universo. 

Você gosta muito de alguém e lhe dá um presente. A pessoa recebe o presente, guarda e não fala nada. Você dá outro presente e, igualmente, a pessoa guarda sem falar nada. Você repete o gesto amável mais uma vez e, novamente, não tem qualquer manifestação da pessoa. O que você faz? Pára de dar presentes para aquela pessoa. Ou pior: recusa-se a continuar sendo gentil para com ela e a prestar-lhe qualquer favor, por menor que seja.

Dê um retorno ao Universo: agradeça. Diga que "gostou do presente" e manifeste gratidão por tudo o que você quer e tem recebido, e por tudo o que você não deseja e não tem recebido.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



03/09/2016 às 09h08m


A roda da abundância — Parte II

Solicitar

Pedir é fundamental. Se não pedimos, como esperamos receber alguma coisa? Isso é verdadeiro em relação a tudo na vida. Você quer comer um sanduíche. Então, você vai a uma lanchonete, aproxima-se do balcão e fica lá, parado. Depois de alguns minutos, reclama da demora com o balconista. Sabe o que ele vai lhe dizer? — Desculpe-me, mas você não pediu nada.

A simplicidade do exemplo não reduz o alcance da verdade exemplificada. 

Vivemos de acordo com leis universais. Tudo o que se aplica à Terra também se aplica em relação aos Planos Superiores. Se você chegar à lanchonete e pedir um sanduíche de queijo branco com presunto no pão francês, vai recebê-lo da forma como pediu, desde que tenha sido claro ao fazer o pedido. Mas se você chegar à lanchonete e pedir um sanduíche igual ao que foi servido na mesa ao lado da sua, estará correndo o risco de receber algo de que não gosta, como um sanduíche de salame com mostarda no pão sírio, por exemplo.

Pedir é importante. Saber como pedir e o que pedir são ainda mais. Solicitação gera poder!

Arriscar

Arriscar é vencer o medo. Arriscar é ousar e, antes de mais nada, confiar! Confiar no Universo e em si mesmo. A maioria das pessoas não tem medo de andar. Elas têm certeza do que lhes acontecerá a cada movimento de pernas. No entanto, uma pessoa que tenha ficado paraplégica, mesmo após muitas sessões de fisioterapia, sentirá medo. Se ela não se arriscar a dar os primeiros passos, poderá nunca sair da cadeira de rodas. Talvez, até, nem o consiga; mas, se não arriscar, nunca saberá.

Quando você se arrisca e confia, o Universo aplaude e retribui.

A um passo da vitória
É nesse "um passo" que se encontra o risco. Quem se aventura a dar esse passo pode ter tudo ou nada. E a coragem para se arriscar? Onde encontrá-la?

Imagine que nós dois subimos ao último andar de um prédio de 50 andares. Lá no alto, eu coloco uma tábua de dois palmos de largura da janela do andar em que nos encontramos à janela do prédio em frente. Eu peço-lhe que passe de um prédio para o outro. — Você se arriscaria?

Agora, imagine a mesma situação. Porém, na janela do prédio em frente encontra-se um seqüestrador com uma arma apontada para a cabeça da sua mãe, dizendo que só a deixará viva se você lhe entregar o dinheiro do resgate pela janela. — O que você faria?

Ninguém se arrisca em troca de nada. Os riscos dependem sempre do que você tiver a ganhar, e isso é muito relativo. 

Cada vez que confiamos, nos arriscamos e nos saímos vitoriosos, ganhamos algo além do que estava envolvido no risco. Independentemente do que estiver em jogo, ganhamos autoconfiança que, nos impulsiona cada vez mais para frente, levando-nos a vencer obstáculos e ousar mais e mais. 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br



Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



Perfil

Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: