21/12/2016 às 15h06m


O poder da visualização

Viver de bem com a vida, com os outros e com o Universo conspirando sempre a seu favor é o objetivo de muitas pessoas, mas poucas conseguem isso. 

Segundo Jung, psiquiatra suíço, quem quiser obter êxito precisa promover o resgate do seu Eu Interior antes de empreender conquistas externas, mas acessar a área secreta de si mesmo exige coragem e determinação. É preciso aprender a linguagem do inconsciente. 

Imagine que sua mente é uma casa: a sala é o consciente, o que você permite que os outros vejam, e o tapete da sala é o inconsciente, onde você esconde aquilo que não quer ver nem quer que os outros vejam. 

A sociedade em que vivemos valoriza muito a razão e pouco os sentimentos, as emoções e o que é empurrado para debaixo do tapete, e isso nos desequilibra. Mas é justamente o equilíbrio entre a razão e a emoção o que nos torna seres mais completos e sintonizados com a vida. 

Desde pequenos, aprendemos a racionalizar, a nos comunicar por meio de palavras, e a desenvolver um raciocínio lógico, que nos integra ao nosso meio social. Mas pouco aprendemos sobre o nosso lado emocional e instintivo. Sentimentos como medo, ansiedade, tristeza, alegria e excitação são induzidos pelo que está escondido no inconsciente, e saber como ter acesso a esse conteúdo é a chave para o sucesso. Portanto, permitir que esse cofre de sensações seja aberto é o primeiro passo para uma vida bem-sucedida. E o segundo é estabelecer uma comunicação adequada consigo mesmo, à fim de promover uma reprogramação mental, o que pode ser feito mediante uma técnica bastante simples: a visualização.

Visualização é uma técnica de desenvolvimento pessoal a partir da utilização de imagens para a realização de mudanças significativas em todos os aspectos da vida.  

Por lidar diretamente com as zonas cerebrais criadoras de imagens, a visualização permite dissolver padrões de comportamento preestabelecidos e desenvolver uma conduta mais saudável e próspera. 

Existem técnicas específicas de visualização que a tornam uma ferramenta poderosa para a conquista de coisas que, de outro modo, seriam bastante difíceis, mas para comprovar sua eficácia é preciso treinar a mente. Uma dessas técnicas é o Swish, inspirada no comando de alguns televisores que permitem assistir a um canal e deixar outro em uma pequena janela no canto inferior da tela; assim, quando achar conveniente, você pode trocar as posições. Trata-se de uma das principais técnicas de Programação Neurolingüística (PNL) para redirecionar o cérebro de forma rápida e simples. Se quiser experimentá-la, faça assim:

- Procure um local tranqüilo, sente-se confortavelmente e relaxe.
- Crie uma imagem mental de uma situação que você queira mudar e coloque-a em primeiro plano na sua tela mental. 
- Agora, crie uma imagem mental da situação ideal, a que você quer colocar no lugar da anterior, e coloque-a em uma pequena janela, no canto inferior esquerdo da sua tela mental.
- Por fim, como no televisor, faça swish, invertendo as imagens: a situação ideal passa a ocupar toda a sua tela mental e a outra fica reduzida. 
- Faça isso cinco vezes seguidas. Depois, visualize o resultado positivo em três situações futuras.

Com as técnicas de visualização, você reprograma sua mente e, gradualmente, passará a controlar o seu inconsciente e a utilizá-lo a seu favor.



e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



16/12/2016 às 16h22m


Novos tempos, nova liderança

O papel do novo líder é cultivar o maior bem das organizações: o capital humano. Cabe-lhe promover a humanização do ambiente de trabalho, valorizando o potencial de sua equipe e contribuindo para que sejam criadas novas formas de relacionamentos, em que tanto o empregado quanto o empregador sejam beneficiados.

Empresas que não valorizam o capital humano nem investem em seu desenvolvimento correm o risco de ser engolidas pelo mercado, pois seus melhores profissionais começam a migrar para organizações que lhes dêem a oportunidade de conquistar o sucesso fazendo o que gostam e do modo como gostam de fazer.

Toda empresa necessita de pessoas com talento; mas, além de encontrá-las, é preciso mantê-las. E isso não se faz só com dinheiro. Dinheiro funciona como motivador de curto prazo, pois as pessoas querem oportunidades de crescimento que, se a empresa não lhes der, a concorrência dará!

Hoje, pessoas competitivas abrem mão de um emprego estável para ir atrás de novos desafios, conquistar novas metas e ser mais bem remuneradas. Para as empresas, é mais econômico descobrir essas pessoas em seu quadro de funcionários e criar condições para que evoluam do que encontrá-las no mercado, e cabe ao novo líder identificá-las e ajudá-las a se desenvolverem. 

Equipes, hoje, não precisam de líderes que tenham respostas para tudo, mas que as levem a encontrar as melhores soluções e contribuam para o crescimento individual de cada integrante do grupo. Alinhando-se à necessidade de crescimento do grupo, o líder consegue motivar e integrar toda a equipe, que produzirá sempre os melhores resultados. Nesse cenário, ele pode assumir os papéis de patrocinador, mentor, avaliador, modelo ou professor do grupo.

Em suma, o novo líder precisa conhecer-se mais do que se deixar conhecer, ser transparente em suas atitudes e decisões e ter sensibilidade para perceber as necessidades e anseios dos outros. Além disso, tem de ser proativo, criativo e ético, sabendo exercer autoridade sem autoritarismo e sendo capaz de tomar decisões rápidas, sem medo de delegar nem de compartilhar informações. Ele deve, ainda, saber negociar, comunicar-se com facilidade e ter controle sobre si mesmo e a equipe. E, finalmente, tem de ouvir mais do que falar, valorizar a equipe, motivar o grupo, manter-se atento às expectativas da corporação e focado em qualidade e desenvolvimento, ter flexibilidade para mudanças e, o principal: investir sempre no seu próprio crescimento pessoal e no de seus subordinados
 

e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



08/12/2016 às 09h38m


Marketing Pessoal: valorize sua marca

Certamente, você já ouviu falar em marketing pessoal, mas, não creio que tenha se convencido da importância de praticá-lo para ser bem-sucedido na vida. Por isso, apresentarei aqui alguns argumentos para você convencer-se da sua importância e dispor-se a praticá-lo imediatamente!

O primeiro passo consiste em mexer nos porões escuros da mente e jogar fora todas as suas crenças prejudiciais e destrutivas, como: 

- Dinheiro é sujo.
- Não dá pra ter tudo na vida.
- Quanto mais alto se sobe, maior é o tombo.
- É melhor ser pobre e honesto do que rico e desonesto.

Essas crenças negativas foram adquiridas lingüisticamente e, portanto, podem ser removidas também lingüisticamente. Basta querer e acreditar que afirmações positivas, declaradas com autoridade, podem ser colocadas no lugar das suas crenças negativas. 

O passo seguinte envolve autoconhecimento. Conhecendo-se, você identifica suas aptidões, talentos, fraquezas e medos, tornando-se consciente do seu ponto de partida. Nesse processo, seja realista. Olhe-se com o mesmo olhar crítico que você é capaz de lançar sobre outras pessoas. Olhe-se com isenção, sem ser muito duro nem muito complacente. Procure observar-se de fora, como se você fosse o outro. 

Por fim, descubra o que os outros pensam e falam sobre você. Mas, prepare-se, pois existe um verdadeiro abismo entre a imagem que fazemos de nós mesmos e a que os outros têm a nosso respeito. Faça os ajustes necessários para estabelecer uma congruência entre a sua auto-imagem e aquela que você projeta. Jogue limpo. Se não souber o que a outra pessoa pensa sobre você, pergunte! 

Feito isso, chegou a hora de traçar um plano de ação. Lembre-se: Marketing Pessoal é um processo de venda em que o "produto" é você. E para que os "clientes" o comprem, é preciso que você esteja comprometido consigo mesmo. Não basta uma boa embalagem. É preciso que o conteúdo seja autêntico! Você tem de acreditar em cada palavra que diz sobre si mesmo e sobre aquilo que diz que é capaz de fazer, pois se você não acreditar, dificilmente alguém acreditará.

Você sabe qual é o seu público-alvo? A quem interessa saber que você existe e que é bom em determinada atividade? Quem pagaria pela habilidade ou talento que você tem a oferecer? 

De acordo com a sua área de atuação profissional, é possível determinar um público-alvo, que deve ser cadastrado e mantido atualizado para que você possa colocar em prática uma política de relacionamento. Mas, mais importante que isso são os contatos pessoais que você pode fazer em congressos, cursos e outras atividades pertinentes à sua área de atuação. 

Quando se fala em cultivar relacionamentos, nunca é demais lembrar da Lei Paretto e concentrar-se nos 20% que poderão provocar uma melhora de 80% em sua vida! 

Como um "produto", você tem de conquistar clientes, e a interface mais importante de um produto com seus potenciais consumidores é a embalagem. No caso, sua embalagem é o seu modo de vestir-se, a sua postura pessoal e profissional, sua expressão corporal e o que você fala. Esse conjunto é a sua marca. Mantenha-se atento ao meio em que estiver inserido, procurando sempre estar adequado a ele, desenvolva suas habilidades de comunicação e mantenha-se sempre atualizado. Trabalhe para que a sua marca ocupe um lugar de destaque na mente daqueles com as quais você se relaciona, cuidando para que todo o conjunto seja harmonioso e, para que a embalagem e o conteúdo sejam congruentes! Caso contrário, o resultado pode ser devastador!


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



01/12/2016 às 13h42m


Riqueza traz riqueza. Progresso traz progresso.

Foi John Maynard Keynes, o mais importante economista da primeira metade do século XX, que mostrou ao mundo, pela primeira vez, que "riqueza traz riqueza e progresso traz progresso". Ele o fez com o que, hoje, é conhecido como multiplicador keynesiano.

Em toda a literatura econômica, J. M. Keynes e Karl Marx foram, talvez, os únicos homens a causar um efetivo impacto na economia mundial. As teorias keynesianas tiveram enorme influência na renovação das teorias econômicas clássicas e na reformulação da política de livre mercado.

Para que o ótimo global seja o somatório de ótimos locais, 
devemos ganhar (gerar riquezas) como capitalistas 
e gastar (fazer uso das riquezas) como socialistas. 

Multiplicador keynesiano — Dinheiro gera dinheiro

O girar do dinheiro de mão em mão produz a sua própria multiplicação. Em artigos anteriores ilustrei esse fato com uma dinâmica em que eu começava com uma nota de um real e a disposição para comprar algo. E no final, depois de várias negociações terem se realizado com aquela nota de um real, eu tinha o objeto inicialmente comprado com ela e, a custa de uma nova transação, ela voltava para as minhas mãos (se você não leu, solicite a reedição desse artigo).

Vamos nos aprofundar nesse assunto com um exemplo mais complexo. Para facilitar, oriente-se pela ilustração:

Imagine que o Banco Central, para aquecer a economia, resolve emitir R$ 200 milhões e comprar títulos do comprador 1. 

O comprador 1, que é um banco, recebe os R$ 200 milhões e os deposita. Após a dedução de 10% do depósito compulsório, que faz parte das regras bancárias, esse comprador 1 passa a ter R$ 180 milhões disponíveis para emprestar aos seus clientes.

Um desses clientes, o cliente 2, solicita ao banco um empréstimo de R$ 200 mil, que é depositado em uma conta bancária. O banco em que esse dinheiro foi depositado, após a dedução do depósito compulsório, fica com R$ 180 mil disponíveis para empréstimo. 

Um cliente desse banco solicita um empréstimo de R$ 20 mil e os deposita em outro banco que, após a dedução do compulsório, fica com R$ 18 mil para emprestar. Até agora foram movimentados R$ 380.198.000,00 a partir dos R$ 200 milhões iniciais.

Essa movimentação faz girar mais rapidamente a roda da abundância. 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



Perfil

Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: