27/08/2015 às 09h14m


MUDANDO A TEMPERATURA

Ao colocar um termostato em uma geladeira ou em um ar-condicionado, você "dá" inteligência para esses aparelhos. Eles funcionam até uma certa temperatura e, depois, param. Voltam a funcionar e param.

Com os seres humanos é a mesma coisa. Todos nós temos um "termostato".

O sucesso de cada um de nós depende do que foi programado em nosso termostato lingüístico. 

Vou falar de um assunto pessoal: meu pai morreu num dia 12 de abril e, anos depois, também em um dia 12 de abril, nasceu minha filha Christine. Desde então, quando chegava o dia 12 de abril, eu não sabia se ficava feliz pelo aniversário de Christine ou se me entristecia pelo aniversário de falecimento do meu pai. Até que num dia 12 de abril, alguém comentou: "Interessante, no dia 12 de abril, Deus lhe ti¬rou uma pessoa que você tanto amava e lhe deu uma pessoa que você ama tanto." Depois que passei a encarar dessa forma, o dia 12 de abril continuou marcando os aniversários de falecimento do meu pai e de nascimento da minha filha. Nada mudou, mas mudou com¬ple¬tamente a minha interpretação sobre eles.

Não se pode mudar o que não pode ser mudado. Mas pode-se mudar a maneira de ver, compreender e sentir o que ocorreu.

Interpretações e fatos

As interpretações, em nossa vida, costumam ser mais importantes que os fatos. O mesmo fato, vivido por diferentes pessoas, vai gerar em cada uma diferentes reações. Viajando ao passado, é possível mudar a interpretação dos fatos. E mudando essa interpretação, modificamos a maneira de ver o passado.

A grande maioria das pessoas fala que gostaria de mudar, re¬vo¬lucionar, transformar, mas, ao mesmo tempo, existe uma voz interior competindo, tentando a todo custo manter confortavelmente congelado aquilo que já está codi¬fi¬cado na sua estrutura psicológica. 

Ao longo da vida, deixando de ser criança e tornando-se adulto, você traz consigo uma série de crenças posi¬tivas e negativas com relação ao mundo, às pessoas e a si próprio. Essas crenças, a cada instante, vão cons¬truindo a sua vida. 

Como um peixe que nunca saiu da água, você di¬fí¬cilmente percebe que as suas crenças estão determinando o que você é. Você e suas crenças se confundem. Quando elas se manifestam, você acha que é você quem está se manifestando. 

Isso é ruim? Claro que é ruim. Porque, enquanto não se libertar das suas crenças, você não consegue mudar. E sem mudar, você não pode melhorar a sua vida. 

REPROGRAMAÇÃO: O LADO POSITIVO!

As crenças que você traz foram codificadas lin¬güis¬ti¬camente no seu cérebro. Ou seja: foi pela linguagem que você aprendeu a acreditar nos valores que hoje determinam o seu comportamento. Portanto, existe a possibilidade de que, também por meio da linguagem, essas crenças sejam reprogramadas e reco¬dificadas em seu cérebro. 

O que é reprogramar? Reprogramar não é nada mais do que mudar uma programação anterior. 

Decretos pessoais:

• Ninguém pode fazer você se sentir inferior sem a sua permissão. 

• Ninguém pode entrar na sua vida para fazer você infeliz. 

• Se alguém provoca em você a sensação de inferioridade ou de infelicidade, é porque você está permitindo. 

• Seus sentimentos são seus; você decide o que quer sentir.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br

Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: termostato - sentimento - motivação


Compartilhe:



20/08/2015 às 15h09m - Atualizado 20/08/2015 às 15h12m


AS OPORTUNIDADES ESTÃO ONDE VOCÊ ESTÁ

A sua vida é repleta de oportunidades, mas, muitas vezes, você não as consegue ver. 

Existiu um americano cujo sonho era encontrar ouro. Ele vendeu a casa e foi para o oeste dos Estados Unidos, onde diziam que havia ouro. Comprou todos os equipamentos e começou a cavar, cavar, cavar, e não achou nada. Desiludido, voltou para sua cidadezinha. Então, ficou sabendo que o indivíduo que comprara sua casa encontrou ouro no quintal. Veja só: o ouro, que ele tanto procurava, estava no quintal e, mesmo assim, ele não conseguiu encontrar. 

As oportunidades estão onde você está. Não adianta mudar de casa, de cidade, pois o problema vai junto. O segredo é mudar a percepção: mudando a percepção, você muda a realidade.

Quando se trata de sucesso, trabalhar é importante, mas não é o bastante.

Só trabalhar não resolve a vida de ninguém. Se você reparar bem, quem mais trabalha é quem menos ganha. Veja o operário: ele acorda cedo, pega duas ou três conduções, come comida fria, chega em casa tarde da noite e se aposenta com um salário mínimo (quando se aposenta!). 

Sucesso é saber viver, e isso inclui auto-estima, comunicação, metas, atitude e ambição. Cada um desses temas abre as portas do sucesso para você.

Um grande trabalho

Havia nos Estados Unidos um sujeito chamado Andrew Carnegie, considerado na época um dos homens mais ricos do mundo. Ele trabalhava na compra e vende de aço. Um dia, em suas reflexões, ele pensou que gostaria de deixar para o mundo alguma coisa além do dinheiro. Queria deixar essa habilidade que possuía, de transformar em riqueza tudo aquilo em que colocava as mãos. Gostaria de criar uma ciência - a ciência do sucesso.

Só que Andrew Carnegie era uma pessoa muito ocupada, sem tempo para essa empreitada. Começou, então, a procurar quem o fizesse por ele. Uma noite, numa festa, conheceu um jovem chamado Napoleon Hill. Ele ficou impressionado com a inteligência de Hill e lhe propôs fazer um estudo sobre as pessoas mais bem-sucedidas da época. Hill foi para casa, pensou muito no assunto e decidiu aceitar. Durante 25 anos, en¬trevistou milhares de pessoas, das quais, mil eram milionárias. Dessas mil, ele selecionou quinhentas que, além de terem muito dinheiro, tinham boa saúde, alegria, prestígio, etc.

Hill passou, então, a estudar profundamente as características desses indivíduos e mostrou a diferença que faz a diferença entre um indivíduo bem-sucedido e aquele que batalha, batalha, batalha e não consegue o que quer na vida. Ele criou o know-how do sucesso!

A diferença entre quem atinge o sucesso e quem não o atinge é muito pequena, bem menor do que parece. O sucesso poder ser medido até em centímetros: alguns centímetros na frente é tudo de que um atleta precisa para ganhar a medalha de ouro, e, outro, para a perder.

Na vida é a mesma coisa. Um profissional que ganha três vezes mais que um colega não tem o triplo da inteligência dele. E o estudante que tira notas duas vezes mais altas não é duas vezes melhor que os outros. É pequena, assim, a diferença entre ganhar dinheiro e não ga-nhar... Essa pequena diferença é a razão do sucesso.

As brilhantes conclusões de Napoleon Hill, você irá conhecer nos próximos artigos, pois quero transferir o know-how do sucesso para você. 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: oportunidades - vida - comunicação


Compartilhe:



13/08/2015 às 09h08m


CRIANDO METAS EQUILIBRADAS

É preciso identificar as diferentes áreas da vida e, em cada uma, criar uma meta equilibrada, seja ela cultural, física, financeira, familiar, profissional ou espiritual. E a meta deve ser sua, e não de outra pessoa. 

Certas pessoas dizem que escolheram fazer isso ou aquilo na vida porque esse era o desejo de seus pais. Um pai pode desejar que seu filho estude medicina, mas nunca pode impor isso a ele! Acredite: A sua capacidade de decidir sobre a sua vida é um passo essencial para a realização dos seus ideais. Quem assume para si uma meta que não é sua, está assumindo a própria infelicidade. 

Meta deve ser pessoal. Você tem de estar comprometido com ela. 

Estar comprometido é muito mais do que estar envolvido. Quem se envolve se liga, participa. Quem se compromete deixa de ter medo, vestindo e suando a camisa. 

O tamanho da meta
A meta deve ser grande. Grande mesmo. Tão grande que, se você contar para um amigo, ele não acreditar que você é capaz de realizá-la.

Quando fui estudar na Universidade de Harvard, em 1976, eu disse a um colega que em três anos eu estaria ensinando cardiologia nos Estados Unidos. Ele ironizou, pois eu nem sabia falar inglês muito bem. Passados exatos oito meses depois dessa conversa, eu estava fazendo minha primeira palestra para quatrocentos cardiologistas em Washington, D.C. Quando o meu amigo duvidou, eu sabia que estava no caminho certo!

A forma da meta
A meta tem de ser específica. Você quer dinheiro? Então, especifique quanto dinheiro você quer. Dinheiro, simplesmente, você já tem no bolso; então, isso não é uma meta. 

— Eu quero ter 50 mil dólares na minha conta bancária.  

Agora sim a sua mente entende, pois o pedido é específico. A mente só entende a mensagem quando você fala exatamente o que quer. Aí, o seu subconsciente processa o seu pedido e providencia a realização.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: metas - equilíbrio - criação


Compartilhe:



06/08/2015 às 09h27m


PARA O SEU MUNDO MUDAR, VOCÊ TEM DE MUDAR!

É só com a participação do hemisfério direito do seu cérebro que você vai conseguir mudar suas crenças, suas percepções, seu compor¬ta¬mento e, em conse¬qüên¬cia, seus resultados. 

Como conseguir fazer essas modificações?
Se você continuar fazendo o que sempre fez, vai continuar obtendo o que sempre obteve. Se quiser algu¬ma coisa a mais na vida, vai ter de passar a fazer algo mais. 

É um erro pensar que um indivíduo pode obter um resultado diferente, fazendo exatamente o que sempre fez. 

Para o seu mundo mudar, você tem de mudar. E, para mudar, você tem de mudar suas crenças, que vão mudar as suas percepções e a sua rea¬lidade.

Na região de Miami existem muitos iates e, embora proibido, milhares de latinhas de cerveja vão parar no fundo do mar. Certa vez, perguntaram a um mergulhador americano o que ele tinha encontrado lá embaixo. Ele, então, respondeu que tinha encontrado isso, mais isso, mais isso e, também, latinhas de cerveja Budweiser. Aí, lhe perguntaram como ele sabia que a marca das latinhas de cerveja era Budweiser, e ele, imediatamente res¬pon¬deu: "Ora, eu sei por causa da cor vermelha". 

A percepção desse mergulhador estava contaminada pelo fato de a cerveja Budweiser ser uma das mais vendidas em seu país. Na verdade, o ser humano não consegue distinguir a cor vermelha abaixo de 150 pés, como era o caso. A cor vermelha, nessa profundidade, fica invisível. 

Um mergulhador francês, testado em seguida, disse apenas ter visto no fundo do mar objetos que pareciam ser latinhas de cerveja.

O segredo não é ver para crer, como queria São Tomé. O que importa é crer para ver.

Portanto, é possível mudar uma realidade desde que modifiquemos nossas crenças a respeito dela. 

Guarde bem isso:

• Tudo o que existe no seu universo físico passou, primeiro, pela sua mente. 
• Tudo o que existe na sala onde você está lendo este livro, agora, passou pela mente de alguém, incluindo você. E, antes, passou pela mente de seus pais, de seus avós etc.
• O fundamental na vida é acreditar.

À medida que você muda suas crenças, seus atos se modificam e, em conseqüência, também os resultados mudam. 

A crença determina seus atos e estes, seus resultados. 

Se você tiver uma crença positiva, vai ter atos positivos e resultados po¬sitivos. Se você tiver uma crença negativa, vai ter atos negativos e resultados negativos.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: mudança - motivação - pessoal


Compartilhe:



Perfil

Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.
Webpage: www.lairribeiro.com.br
e-mail: lrsintonia@terra.com.br
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: