23/02/2017 às 15h59m


O poder da escrita

Uma das contribuições dos sumérios para o desenvolvimento da Humanidade foi o seu sistema de escrita: uma série de pictogramas (pequenos desenhos) faziam referência aos conceitos que pretendiam ser transmitidos. Daí se desenvolveu o conceito de ideograma, seguido pelo uso de sinais arbitrários para palavras e elementos fonéticos ou de símbolos que representavam o som de uma palavra ou de parte dela. Na China, os ideogramas proliferaram e foram padronizados. Em outras civilizações, os sinais fonéticos foram os únicos mantidos, a exemplo dos fenícios , que desde 1000 a.C. davam forma ao alfabeto que usamos hoje.

Desde então, a escrita vem sendo associada a civilização. A invenção, que convertia a palavra falada e tornava-a fixa e transmissível ao longo das gerações, era uma importante ferramenta, principalmente, para a árdua tarefa de administração dos Estados civilizados. A partir da escrita, o homem pôde organizar-se social e culturalmente. E foi além, pois, por meio da escrita, pôde criar e perpetuar sua identidade e deixar registrada na História a sua passagem.

Incorporada à existência do homem, a escrita nunca se tornou obsoleta. Ao contrário, torna-se cada vez mais importante para manter viva a essência humana. 

Hoje, com o uso de celulares, notebooks, câmeras fotográficas digitais e internet, entre outros aparatos modernos, as distâncias se encurtarem e o tempo tem ficado mais escasso. Hoje, trabalha-se mais e vive-se menos, mas não em anos de vida, pois estes aumentaram. Atualmente, pessoas com 80, 90 e até 100 anos de idade caminham pelas ruas das grandes metrópoles; mas, meio século atrás, um indivíduo com 50 ou 60 anos de idade era considerado velho. 

Uma epidemia do mundo moderno é o estresse, cujos principais sintomas são fadiga e falta de memória. É cada vez mais freqüente encontrar pessoas entre 25 e 50 anos com lapsos de memória. Ao contrário do que muitos pensam, essas falhas nem sempre têm origem patológica. Distração, ansiedade, estresse, depressão e até mesmo bloqueios emocionais podem desencadear lapsos de memória. 

A memória divide-se em antiga e recente. A primeira é relacionada ao processo de aprendizagem, e a segunda, também chamada "memória de trabalho", é ocupada por fatos do cotidiano, pouco relevantes para serem armazenados definitivamente. É importante saber que essa memória tem capacidade limitada; portanto, é preciso administrar bem o que é colocado nela para não sobrecarregá-la. 

Apesar dos esforços da ciência, a melhor maneira de manter a memória afiada é a prevenção. Um dos recursos que podem e devem ser utilizados é a milenar técnica da escrita. 

Escreva! Deixe tudo registrado. Tenha uma agenda. Anote todos os seus compromissos e tarefas diárias.  Você aliviará cérebro e se sentirá revigorado, pronto para assumir as tarefas mais importantes com eficácia e destreza.

Escrevendo, você também aprende a definir suas metas, traçar planos de ação e atingir seus objetivos. A partir do momento que você registra algo, seu cérebro se compromete e passa a atuar em prol da realização daquilo que foi registrado. Ao escrever um diário, por exemplo, você terá uma importante ferramenta para fazer follow-up e verificar se está agindo no sentido certo ou se é preciso mudar alguma coisa. Colocar no papel a sua reação depois de conquistar um objetivo desejado também é um excelente meio de induzir o cérebro a buscar a repetição desse momento. Da mesma forma, extravasar, por meio da escrita, sentimentos como ódio, raiva, medo e rancor libera mente e coração de sensações ruins e prejudiciais. Portanto, escreva! 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br.


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



15/02/2017 às 14h02m


Ginástica cerebral: você a pratica?

Atreladas à correria da vida moderna, muitas pessoas sentem-se estafadas, sem ânimo para enfrentar o dia-a-dia. A todo instante são colocadas à prova. Exauridas, muitas chegam à velhice sem ânimo para aproveitar o que a vida tem a oferecer. Aí, adoecem, tornam-se dependentes de seus familiares e sentem que tudo foi em vão. 

Mas ninguém precisa ficar preso a uma história como essa. Basta cuidar mais da mente: mantendo o cérebro ativo, garantimos mais saúde, energia e serenidade. Mas, para colher esses frutos, é preciso plantá-los! E quanto antes, melhor! 

Se, por um lado, distúrbios de memória vêm atingindo cada vez mais pessoas entre 25 e 50 anos de idade, por outro, têm sido cada vez mais freqüentes os casos de idosos com mal de Alzheimer, uma demência relacionada ao aumento da expectativa de vida. Tanto o primeiro quanto o segundo caso afetam em muito a qualidade de vida das pessoas atingidas, prejudicando desde o desempenho profissional, passando pelo sexual, por problemas de relacionamento e atingindo até mesmo sua saúde física, por causa do enorme desgaste emocional. 

O cérebro é como um músculo. Mas, diferentemente dos músculos que dão sustentação ao corpo e que podem ser trabalhados repetida e exaustivamente na academia, o cérebro precisa de desafios, de novidades. Veja o que pode ser feito:

Ler
A leitura ativa inúmeras áreas importantes do cérebro, uma vez que para decifrar uma frase, os neurônios terão de resgatar as regras gramaticais aprendidas há muito tempo; para prosseguir com a leitura, a memória terá de armazenar o conteúdo já lido; e para compreender o texto todo, terá de haver um resgate na memória de todo o conhecimento básico adquirido ao longo da vida... 

Propôr-se desafios
Desafios é um bom exercício para o cérebro. Não precisa ser radical, basta tentar fazer um novo caminho para ir ao trabalho ou se propor a realizar uma tarefa com a qual você não tem familiaridade. Se você for metódico, faça algo criativo; se for criativo, faça algo que peça disciplina e regularidade... 

Ter objetivos
Tenha objetivos bem definidos. Se você não sabe onde deseja estar, não vai saber quando conseguirá chegar lá! Então, planeje sua vida. Defina metas e trace planos de ação. 

Conversar
Durante uma boa conversa, você desenvolve não só a sua habilidade de comunicar-se com outras pessoas, como também a sua capacidade de organizar pensamentos e idéias, argumentar, convencer, escutar, prestar atenção, debater e criticar, tudo de forma lógica e sempre respeitando a opinião do outro. 

Envolver-se
Estatísticas mostram que, apenas ouvindo, retemos até 20% do que nos é ensinado, e apenas olhando, retemos até 30%. Se ouvirmos e olharmos, podemos reter até mais de 50% das novas informações, e se nos envolvermos, nossa capacidade de memorização vai para 70%. Agora, se tentarmos fazer o que nos estiver sendo ensinado, a capacidade de assimilação pode chegar a 95%.

Criar conexões
Crie conexões entre as novas informações e o conhecimento já adquirido. Como professores de cursos pré-vestibular, você pode organizar as informações de modo a criar rimas ou pode organizar das informações a serem memorizadas em ordem alfabética. 

Os vilões do esquecimento
- Dormir pouco
- Vida sedentária
- Emoções negativas
- Tabagismo
- Alcoolismo
- Outras drogas

Só adquirindo hábitos de vida saudáveis é possível preservar a mente e mantê-la afiada durante muitos anos. Depende de você e do que você quiser para o futuro. 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br

Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



07/02/2017 às 10h57m


Gratidão — A mãe de todas as virtudes!

Muitas pessoas projetam sua felicidade em alguma coisa que talvez nunca acontecerá e esquecem-se de viver o presente.

Vítimas em potencial, essas pessoas vivem reclamando de suas reais condições, mas raramente se propõem estratégias significativas para mudar. Elas não planejam, não se colocam em movimento em direção àquilo que, imaginam, lhes trará felicidade. Seguem passivas, aceitando o que a vida lhes dá. Muitas delas até pensam assim: "O que vier, é lucro!" Nada de errado em aceitar de bom grado o que a vida dá. A verdade, porém, é que a muitas pessoas que esperam para viver "quando alguma coisa acontecer" não reconhecem como dádivas aquilo que a vida lhes dá, mas, ao contrário, reclamam do que ela não dá, sentindo-se injustiçadas! 

Essas pessoas fazem alguma coisa para receber mais do que recebem? Elas agradecem por aquilo que têm e, também, pelo que não têm e não gostariam de ter, como doenças, por exemplo? 

No momento em que agradecemos ao Universo, ele nos retribui. 

É preciso entender que o fato de agradecer ao Universo, de demonstrar gratidão, não tem nada a ver com fé ou devoção. É um mero feedback que damos ao Universo para que ele saiba o que deve e o que não deve continuar nos oferecendo. Se não sinalizarmos positiva ou negativamente em relação ao que temos recebido, o Universo continuará nos provendo de "coisas" indiscriminadamente, que podem ser aquilo que queremos, mas também podem ser o que não queremos. Se dermos um feedback, passamos a participar ativamente da distribuição da riqueza universal.

Gratidão é uma virtude que precisa — e deve! — ser cultivada e desenvolvida continuamente. Em vez de se lastimar, procure colocar-se positivamente perante as adversidades. Lembre-se: obstáculos surgem para serem transpostos. E para vencê-los e aprender com eles, temos de mudar nossa percepção a respeito da vida. Adotar uma atitude positiva, agradecendo sempre, abre caminhos que podem conduzir ao autoconhecimento, aumentar a auto-estima e estabelecer sintonia com tudo e todos ao redor.

É simples ser grato, mas essa atitude deve ser uma escolha e não uma obrigação. Deixar a sua voz interior falar, abrir sua mente para um mundo novo de percepções e sensações e voltar-se para as coisas mais simples da vida são atitudes que o levarão a perceber as bênçãos que acontecem a todo instante na sua vida e você nunca havia notado. Você passará a sentir-se protegido, amparado e ajudado. 

O sentimento de gratidão nos liberta da preocupação e nos acalma. Ao agradecer, liberamos tensões acumuladas. A gratidão tem o poder de curar doenças físicas e emocionais, como depressão, tristeza, solidão, melancolia, baixa auto-estima e ansiedade, entre outras. Por isso, em vez de apenas criticar os outros ou guardar mágoas, busque reconhecer as qualidades que as pessoas têm e de que forma elas contribuem para o seu crescimento pessoal e espiritual. Abra mão da irritação, da impaciência e da hostilidade e em favor da serenidade e da leveza de espírito. Mas seja sincero em seus agradecimentos.  

Agradeça sempre! Do sorriso recebido de um desconhecido à saúde, ao dinheiro, aos negócios, aos problemas...

Se acontecer uma desgraça, agradeça, não pela desgraça, mas pela experiência que trouxe para a sua vida. Na vida, as coisas acontecem porque têm de acontecer, e delas podemos tirar proveito ou prejuízo. A escolha é sua!


e-mail: lrsintonia@terra.com.br

Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



01/02/2017 às 11h10m


Vestibular: obstáculo ou etapa?

O vestibular é uma etapa muito importante na vida de milhares de jovens, marcando, em muitos casos, o início da idade adulta. Não há como não sucumbir ao nervosismo, à insegurança e à ansiedade que, no período pré-vestibular, se potencializam e somam-se ao cansaço, culminando no estresse, mas é possível driblar os efeitos negativos do estresse pré-vestibular e sair-se fortalecido desse processo. 

Muita coisa pode influenciar no desempenho do vestibulando, comprometendo seus resultados. Portanto, uma das medidas mais importantes é reduzir a "margem de erro" reduzindo o estresse.

Todo estudo e dedicação podem ser perdidos por causa de uma noite mal-dormida, principalmente se for a de véspera da prova. Quando dormimos mal, acordamos cansados ficamos menos produtivos. Erros banais podem ser cometidos por falta de atenção a detalhes, e as chances de ocorrer lapsos de memória são muito maiores. 

O vestibulando precisa ter uma regularidade de sono durante todo o período de preparação para o vestibular. A carência de sono afeta a capacidade cognitiva, pode levar à perda de memória de fatos recentes, prejudica a concentração, diminui a capacidade de raciocínio e aumenta a irritabilidade! 

Para ingressar em uma faculdade conceituada você terá de investir em um plano de estudo de longo prazo. Lembre-se de que é melhor dedicar-se a um ou, no máximo, três vestibulares, do que se desgastar em uma maratona de provas. Se você pretende inscrever-se em várias instituições, preste atenção:

- Evite prestar vestibulares diferentes que ocorrem no mesmo dia ou fazer provas em diferentes cidades sem um intervalo de descanso entre as viagens. 

- Nos dias de folga entre as provas, descanse! 

- Se sentir-se sobrecarregado, faça uma análise dos vestibulares que irá prestar e descarte alguns. 

Em véspera de vestibular, o vestibulando precisa descansar. Nada de pensar em provas. Uma boa dica é ir ao cinema ou caminhar em um parque e ficar longe de programas noturnos e de bebidas alcoólicas. Evite, também, discutir com pais, irmãos, namorado ou namorada... Evitar os excessos, principalmente na alimentação, é outra recomendação importante, pois o nervosismo pode provocar irritação gastrointestinal, dor de estômago e, até mesmo, ânsia de vômito. Portanto, faça refeições leves e balanceadas, tanto na véspera quanto no dia da prova. 

A prática de exercícios físicos é uma excelente alternativa para controlar o estresse e a ansiedade, pois auxilia na oxigenação cerebral, intensifica a formação de sinapses (conexões entre os neurônios) e estimula a atividade mental, além de provocar sensações imediatas de bem-estar e de relaxamento, melhorando a qualidade do sono! 

Na véspera da prova, pode até dar uma olhada nos livros e apostilas, mas só nas matérias que domina, para evitar a sensação de "não sei nada". Certamente, você se deparará com questões que não saberá responder, mas isso não o impedirá de ingressar na faculdade. Empenhe-se em fazer uma boa prova, mas sem perfeccionismo. Quando estiver diante de uma questão que não sabe responder, pare, respire, beba água, mude de matéria (espere pelo menos dois minutos antes de começar um novo assunto) e continue a prova. 

Ver o seu nome na lista dos aprovados é a recompensa máxima que um vestibulando pode ter ao fim da jornada, mas se isso não acontecer, não se desespere. Encare como mais um desafio para o próximo ano e empenhe-se em ganhar mais conhecimento. 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



Perfil

Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: