19/10/2017 às 18h38m


Mudando hábitos que engordam.


O verão está chegando e com ele muitas pessoas procuram adquirir uma nova rotina, tanto alimentar quanto de atividade física. Isso acontece por dois motivos, o primeiro é que durante o verão nós ficamos mais expostos, usando roupas mais curtas e a maioria das pessoas procuram melhorar a sua aparência devido a isso, o segundo motivo é que com o verão muitas pessoas se sentem mais dispostas a praticar atividade física, durante o frio é comum muitas pessoas deixarem de lado a academia.

Então, para que você que deseja adquirir novos hábitos nesse verão, mudar seu estilo de vida e de sentir bem com o seu corpo, anote essas algumas dicas que irão te ajudar.

Consuma mais água – Com o verão nossa necessidade de água aumenta, então precisamos consumir mais água e também bebidas isotônicas como água de coco e soro caseiro ou de reidratação. O consumo de água também te auxilia no emagrecimento! Isso mesmo, consumir água adequadamente te auxilia nos processos de perda de peso, sugere-se que o consumo 500mL de água 30 minutos antes do café da manhã, almoço e jantar, totalizando 1,5L de água a mais que o mínimo necessário te auxilia na perda efetiva de peso, foi isso que um estudo publicado pelo Journal of Clinical and Diagnostic Research encontrou avaliando 50 jovens por 8 semanas, ao final do estudo além da redução do peso corporal houve redução no percentual de gordura.¹

Durma adequadamente – Dormir mal não te faz apenas ficar cansado, mas também te faz ficar mais inflamado! Sim, um sono inadequado aumenta os marcadores de inflamação, fazendo com que seu sistema imunológico fique debilitado, seus marcadores de inflamação aumentados e a sensibilidade hormonal reduzida, te deixando mais propenso a adquirir uma inflamação, desenvolver várias doenças e também reduzindo sua capacidade metabólica, dificultando tanto perder peso quanto ganhar massa magra. Então, para emagrecer e ficar com a saúde em dia, durma!²

Evite o estresse – Viver sobre estresse é algo comum nos dias de hoje, mas muitas vezes o seu emagrecimento fica comprometido pelo estresse diário que nós vivemos. Quando estamos sob a condição de estresse é liberado em nosso corpo um hormônio chamado Cortisol, esse hormônio bloqueia a via hormonal promove o emagrecimento. O Cortisol alterado também aumenta a sensação de fome, fazendo com que você coma mais e sem necessidade, mesmo adequando a dieta, a pessoa continua ganhando peso. Uma grande aliada nessa situação é a prática de atividades físicas, que auxilia na modulação hormonal reduzindo os níveis de estresse e cortisol.³

Não fique com fome – Quando estamos com fome tendemos a comer mais, por exemplo, ao chegarmos em um restaurante, quando não estamos com tanta fome tendemos a pegar menos comida, já que nosso corpo entende que aquela quantidade será suficiente para nos saciar, mas quando chegamos ao restaurante com muita fome nosso cérebro nos envia a seguinte mensagem "você está com fome e precisa comer muito para te saciar e suprir as suas necessidades", então a nossa tendência é comer mais, por mais que uma quantidade menor nos saciaria plenamente. Então, fracione melhor as suas refeições e evite ficar com muita fome. Opte por pequenas refeições entre as grandes refeições, como um pequeno lanche no meio da manhã e no meio da tarde com frutas e castanhas, pois as frutas são fontes de carboidrato e as castanhas são fontes de gordura boa, o que irá promover saciedade até a próxima refeição.

Beijinhos da Nutri.

1 – Vinu A. Vij, AnjAli S. joShi. Effect of ‘Water Induced Thermogenesis’ on Body Weight, Dody Mass Index and Body Composition od Overweight Subjects. Journal of Clinical and Diagnostic Research. 2013 Sept, Vol – 7(9): 1894-1896.

2 – Bellesi M et al. Slessp Loss Promotes Astrocytic Phagocytosis and Microglial Activation in Mouse Cerebral Cortex. Journal of Neuroscience 24 May 2017, 37 (21) 5263-5273.

3 - Geiker NRW et al. Does stress influence sleep patterns, food intake, weight gain, abdominal obesity and weight loss interventions and vice versa? Obesity Reviewa Jun, 2017


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: rotina,atividade física,aparência,academia


Compartilhe:



22/09/2017 às 13h34m


Jejum Intermitente – Parte 1


O Jejum Intermitente tem sido um dos assuntos mais comentados atualmente, muito se fala sobre essa prática que não é nova, mas têm ganhando cada dia mais adeptos pelo mundo.

Mas quando se fala de jejum muitos pontos são levantados, como exemplo, o protocolo a ser seguido, o público que mais se adéqua a prática do Jejum Intermitente, os efeitos do Jejum sobre o corpo, são tantas as dúvidas que vamos esclarecer em duas postagens, essa e a da semana que vem também.

O Jejum Intermitente nada mais é do que a prática de se manter longas horas de jejum intercaladas com alimentações e existem diversos protocolos como os de 6/18, 18/6, 12/12, 24/12e esses protocolos variam até em jejuns que duram semanas, apesar de ser o menos convencional e indicado. Durante o período de jejum o corpo utiliza como energia os corpos cetonicos oriundos da oxidação de ácidos graxos, ou seja, quebra da gordura para utilização como fonte de gordura. Durante o uso dos corpos cetonicos não ocorre ativação da insulina, então ocorre uma melhora nesse processo também.

Mas o que podemos esperar de resultados de uma dieta com prática de Jejum Intermitente? Bom, sugere-se que o jejum intermitente module os metabolismos glicídicos e lipídicos, sendo o metabolismo dos açúcares e das gorduras, dessa forma, promovendo a redução do acúmulo de gordura do corpo. Também podemos observar uma melhora nos marcadores de inflamação, melhora dos marcadores de colesterol e triglicerídeos, aumento da excreção da Adiponectina que é um hormônio que também auxilia na perda de gordura, melhora na biogênese mitocondrial, que nada mais é do que o aumento e melhora das mitocôndrias das nossas células e essas mitocôndrias são as responsáveis pela formação de energia no nosso corpo.

Os grupos onde a prática de Jejum Intermitente é mais indicado são diabéticos, pessoas com resistência a insulina, pessoas com perda de peso dificultada, entre outros, mas não são todas as pessoas que devem praticar o jejum, como por exemplo pessoas com doenças crônicas e em utilização de medicação específica, por esse motivo o Nutricionista deverá ser sempre consultado.

Para saber mais sobre Jejum Intermitente não perca a nossa postagem da semana que vem.

Beijinhos da Nutri Giuliana Paiva.


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: jejum,dieta,resistência,doenças


Compartilhe:



18/09/2017 às 18h16m - Atualizado 22/09/2017 às 15h14m


Fazer dieta Não é caro!

Uma grande dúvida dos pacientes no consultório de Nutrição é sobre o valor de se fazer uma dieta, mas eu sempre digo fazer dieta não é caro!

Quando não seguimos um plano alimentar tendemos a comprar coisas superfulas como biscoitos, chocolates, refrigerantes, empanados, salgadinhos, balas, enfim, nós compramos alimentos que não nos alimenta e que são mais caros que os alimentos presentes em uma dieta.

Mas como deixar a dieta mais barata? Anote algumas dicas.

1ª – Procure as promoções, se programe para ir ao supermercado no dia de promoção e não tenha preguiça, vá ao supermercado pelo menos 2x na semana para aproveitar melhor esses dias de promoção. Os supermercados geralmente colocam promoções durante a semana, então, evite fazer as suas compras no final de semana.

2ª – Procure as verduras, legumes e frutas em feiras, mercado do produtor, sacolão, pois esses produtos costumam ser mais baratos nesses lugares quando comparado aos preços de supermercados.

3ª – Procure comprar produtos da época, produtos na entressafra são mais caros e de menor qualidade.

4ª – faça uma planilha de compras, dessa forma você evita comprar alimentos que não irá consumir e evita o desperdício.

5ª – Planeje a compra de frutas da semana, compre frutas mais maduras e também frutas um pouco mais verdes, dessa fora as frutas mais verdes chegarão boas para o consumo no final da semana e você não as perderá.

6ª – Faça lista para ir ao supermercado, dessa forma você se limita comprar apenas o que está na lista e não gasta dinheiro com produtos que não estão na dieta.

Dieta é planejamento, se planejada corretamente você com certeza irá poupar dinheiro.

Gostou das dicas? Então fique de olho, toda semana tem matéria fresquinha para você.

Beijinhos da Nutri Giuliana Paiva.


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: dieta,alimentos,mercado,produtos


Compartilhe:



04/09/2017 às 13h19m


Suplementação no esporte – Parte 1


A suplementação nutricional ganhou grande espaço na vida dos praticantes de atividade física nos últimos anos, a variedade de suplementos disponíveis no mercado aumentou acompanhando a grande procura do público.
 
Com destino certo, a indústria farmacêutica e alimentícia vem investindo nas tecnologias dos suplementos, temos disponíveis hoje no mercado uma variedade enorme de suplementos como as proteínas, aminoácidos, pré-treino, entre outros, mas o que realmente funciona?

Segundo um estudo de revisão, publicado em janeiro de 2017 na Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, onde foi investigado o efeito da suplementação de Creatina sobre a composição corporal de praticantes de atividade física, o uso de creatina auxilia no processo de aumento de massa muscular desde a formação de energia até o ganho de massa magra.

O ganho de massa magra pelo uso da suplementação de Creatina pode ser explicado devido ao aumento da síntese proteína e a redução da proteólise muscular, que é a degradação da "proteína" das células musculares. Quando utilizamos o suplemento de creatina, ocorre uma retenção de líquidos intracelulares e isso evita que nossas células percam, por exemplo, aminoácidos de cadeia ramificada (Valina, Leucina e Isoleucina) que são essenciais para a hipertrofia muscular, dessa forma a proteólise muscular é reduzida.

A creatina também é mais eficaz em exercícios de alta intensidade e curta duração, como os treinos de musculação, não sendo tão eficaz em exercícios aeróbicos como, por exemplo, as corridas.

Gostou dessas dicas? Na semana que vem falaremos sobre a suplementação pré e pós-treino.



Beijinhos da Nutri.



Oliveira, Ludmila Miranda, Maíra De Oliveira Azevedo, and Camila Kellen De Souza Cardoso. "Efeitos da suplementação de creatina sobre a composição corporal de praticantes de exercícios físicos: uma revisão de literatura." RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva 11.61 (2017): 10-15.
 


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: suplementação,proteínas,atividade,industria


Compartilhe:



12/08/2017 às 15h02m


Guia Prático do Emagrecimento

O emagrecimento é um processo complexo e multifatorial, envolve aspectos biológicos, físicos, psicológicos e culturais. Então, levando todos esses aspectos em consideração, falaremos de um ponto de vista prático para emagrecer. 

Rotina e hábitos – mantenha uma rotina saudável, adquira hábitos que contribuirão para o seu emagrecimento, evite consumir diariamente frituras, refrigerantes, doces, comidas muito elaboradas, alimentos que são ricos em calorias vazias como sorvetes e bebidas alcoólicas. A regra de ouro é, "tudo o que for eventual não te fará engordar, a rotina sim!"

Consuma água adequadamente – a sede é confundida com fome, estar em um estado de desidratação constante te faz querer comer mais, então, tome água suficiente, além disso a água contribuirá em diversos processos que contribuirão para o seu emagrecimento, com melhora do transito intestinal.

Consuma verduras, legumes e frutas – as verduras, os legumes e as frutas além de fornecerem vitaminas e minerais, que auxiliarão no processo de emagrecimento, também são fontes de fibras o que também contribui para o processo de emagrecimento, tanto por aumentarem a saciedade quanto por auxiliarem a microbiota intestinal e também o transito intestinal.

Evite picos de fome – você não é obrigado a comer de 3 em 3 horas, mas evite os longos períodos de jejum, pois realizar uma refeição com muita fome fará com que você coma mais e desnecessariamente. Então, faça mais refeições por dia com porções pequenas de comida, evitando os picos de fome você evitará os excessos da gula.

Durma de forma satisfatória – é durante o sono que nosso corpo realiza vários processos, entre eles a liberação de muitos hormônios, dormir pouco fará com que você sinta mais fome, por exemplo, pois desequilibra a relação entre o hormônio da saciedade e da fome e ainda aumenta a liberação de hormônios como o cortisol, que por si só te faz ganhar peso. Então, não existe aquela história que 4h de sono já é o suficiente para você, durma com qualidade para que seu corpo tenha tempo suficiente para realizar todos os processos necessários que só ocorrem durante o sono.

Essas são as 5 regrinhas de ouro do emagrecimento, mantenha hábitos saudáveis, beba água, consuma alimentos funcionais, evite longos períodos de jejum e durma de forma satisfatória, também entra aqui a atividade física, mas isso somente um Professor de Educação Física poderá te orientar. 

Beijinhos da Nutri Giuliana Paiva. 

Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: nutrição, emagrecer, alimentação, regras


Compartilhe:



03/08/2017 às 12h29m


Mídias Sociais

Mídias sociais são todas as ferramentas que possibilitam a interação social por meio de postagens e compartilhamentos de informações, textos, fotos, vídeos, tudo isso compõe esse universo, mas a questão que iremos abordar é o quanto somos influenciados por esse universo.

Hoje em dia algumas dessas ferramentas de mídias sociais, como o Instagram, Facebook, Tumblr, fazem parte do nosso dia a dia, exercendo influência sobre as nossas escolhas e preferências. Sabemos que muitas marcas, conhecendo a influência dessas ferramentas, utilizam as pessoas com um número maior de seguidores para influenciar a nós, seus seguidores, a consumir seus produtos, seja alimento, roupas, acessórios, e diversas outras coisas que de tanto sermos influenciados vamos acabar comprando.

Mas todo esse universo de influências está gerando muitos tipos de transtornos no público em geral. Muitas pessoas têm desenvolvido compulsões, por comprar, por comer, tem desenvolvido transtornos como anorexia, bulimia, transtornos de imagem, e até quando e até quanto isso é saudável para nossas vidas? Até quando seguir o que o blogueiro faz e fala é saudável social e mentalmente para nós, seres humanos normais, comuns, que temos nossas vidas comuns de trabalho, casa, estudos... Acreditarmos que, estar em uma praia na tarde de uma terça-feira é algo possível para nós, que não ganhamos a vida postando essas fotos, nos deixa deprimido, pois é um desejo comum, em um dia de sol, com aquele céu limpo, sem nuvens, estar em uma praia e apreciar uma água de coco gelada, mas será que isso é possível para todos nós? Será que esse tipo de postagem não está fazendo propaganda para um hotel ou uma empresa que lucra com a sua ida a praia?

As pessoas que utilizam as mídias sociais estão sendo influenciadas pelas estratégias de marketing e não estão percebendo!

É saudável praticarmos exercícios e uma alimentação saudável! Mas até que ponto é saudável levarmos uma marmitinha em uma bolsa térmica para um restaurante? Será que nesse restaurante não tem nada saudável, te obrigando a levar a sua própria comida? Será que esse "estilo de vida" realmente se adéqua às suas necessidades nutricionais ou será que você está sendo um consumidor do "estilo de vida" que você está seguindo?

Pense sobre essas coisas e reflita se o que você tanto busca, será que todo esse sacrifício é mesmo necessário para alcançar uma vida saudável?

Beijinhos da Nutri.


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas:


Compartilhe:



27/07/2017 às 19h57m


Constipação intestinal

Uma das maiores queixas entre os pacientes em um consultório de Nutrição é a Constipação Intestinal, que nada mais é do que aquele intestino preguiçoso que leva dias para funcionar e que quando funciona causa muita dor.

A Constipação Intestinal pode ocorrer por diversos fatores, nas dietas pobres em fibras, por causa do baixo consumo de água, por falta de atividade física ou pelo desequilíbrio da Microbiota Intestinal (antigamente chamávamos de Flora Intestinal).

Então, segue algumas dicas infalíveis para o bom funcionamento do intestino.

Inclua fibras na sua dieta – Alimentos ricos em fibra ajudam na formação do bolo fecal e auxiliam o bom funcionamento do intestino! Inclua frutas, verduras (principalmente cruas), legumes e cereais e as oleaginosas.

Consuma água – O nosso organismo precisa muito de água, a demanda é bem maior do que imaginamos. Cada pessoa tem uma necessidade diária de água, se o seu intestino não está funcionando bem é provável que você esteja consumindo pouca água.

Atividade física – A atividade física auxilia os movimentos naturais do intestino, fazendo com que as fezes percorram por todo o intestino com mais facilidade, melhorando o fluxo intestinal.

Disbiose Intestinal – A Disbiose Intestinal nada mais é do que o desequilíbrio entre as bactérias que colonizam o nosso intestino. No nosso intestino existem bactérias benéficas e bactérias maléficas, mas todas elas precisam existir para que ocorra um equilíbrio entre entras, assim nosso intestino estará em Simbiose, significando que tudo está em Equilíbrio. Quando ocorre a Disbiose, que é um desequilíbrio entre essas bactérias, o funcionamento do intestino fica comprometido. A simbiose é tratada com o uso de bactérias boas para o intestino.

 

Ficou curioso sobre o tema? Aqui, no Nutrição em Pauta, nós falamos semanalmente sobre vários assuntos da Nutrição, então fique de olho.

 

Beijinhos da Nutri 


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas:


Compartilhe:



19/07/2017 às 09h25m - Atualizado 19/07/2017 às 10h53m


Estilo de vida

O Estilo de Vida é tido hoje em dia como um dos principais fator para o desenvolvimento e também prevenção de muitas doenças como a obesidade. Sabemos que a forma com que a pessoa se alimenta, a prática de exercícios físicos regulares, o sedentarismo, são fatores determinantes para que a pessoa desenvolva ou não muitas doenças, mas os malefícios ou benefícios do estilo de vida não para por ai, quando pensamos a longo prazo podemos determinar como será a nossa velhice, por exemplo.

Muitas vezes nós observamos aquela família onde a maior parte das pessoas se tornam diabéticas em uma determinada idade, muitas vezes chegamos a pensar que é devido a fatores genéticos, afinam os pais eram diabéticos e os filhos se tornaram diabéticos, mas quando paramos para pensar um pouco mais afundo percebemos que, não existe relação genética entre o casal, então concluímos que nesse caso o estilo de vida contou mais que os fatores genéticos.

Existem também aqueles casos em que a pessoa se alimenta bem, dorme bem, se exercita regularmente e acaba infartando antes dos 40 anos de idade e nós pensamos, para que levar uma vida tão regrada se "fulano" acabou infartando? Bom, nesse caso os fatores genéticos tiveram mais força que o Estilo de Vida que essa pessoa levava, mas nós não devemos levar esse tipo de situação como regra, devemos sempre levar em consideração que o estilo de vida pode minimizar os riscos dos fatores genéticos, então essa deve ser a regra.

Devemos lembrar que nós reproduzimos os padrões que nos foram ensinados, então nós sempre repetimos os hábitos dos nossos pais, por isso que é sempre tão difícil criar novos hábitos, trocar o estilo de vida. A obesidade cresce a passos largos, segundo a Abeso – Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, atualmente mais de 50% da população adulta e 15% da população infantil do país está acima do peso.

As mudanças do estilo de vida e as mudanças nos hábitos alimentares da população têm sido apontadas como os grandes causadores desses dados tão alarmantes, precisamos então reverter isso, adquirindo novos hábitos alimentares, mais saudáveis e mais natural e adquirir um Estilo de Vida saudável, que promova saúde e nos tire da zona de risco que estamos vivendo atualmente.

 

Um grande beijo da Nutri


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas:


Compartilhe:



03/07/2017 às 12h23m - Atualizado 19/07/2017 às 10h53m


Gordura localizada

Você já deve ter escutado alguém reclamar que não perde aquela "gordurinha localizada", mas porque isso acontece?

Em nosso corpo existem dois tipos de gordura, a gordura subcutânea e a gordura visceral. A gordura subcutânea é localizada logo abaixo da pele, ela é responsável pela "gordurinha localizada", celulite e outros problemas estéticos, já a gordura visceral é localizada mais internamente, entre os nossos órgãos, essa gordura é a responsável por diversos tipos de doenças, pelo aumento da pressão interna dos órgãos, provoca doenças crônicas não transmissíveis e, para o nosso corpo, é a gordura mais prejudicial. Por esse motivo, quando começamos a praticar uma atividade física ou começamos uma dieta, a primeira gordura a ser eliminada é a gordura visceral.

A explicação fisiológica para a redução da gordura visceral ocorrer primeiro é muito simples, quando praticamos uma atividade física nosso corpo libera catecolminas (adrenalina e noradrenalina), essas catecolaminas se ligam aos nossos receptores adrenérgicos e estimulam a quebra de gordura, lipólise. Nosso corpo possui dois tipos de receptores adrenérgicos para lipólise, esses receptores são diferenciados como Alfa e Beta. O que ocorre é que, a lipólise é estimulada através dos receptores adrenérgicos Beta, então quanto estimulamos os receptores Beta nós quebramos a gordura, mas a resposta para lipólise é inibida pelos receptores adrenérgicos Alfa. E por que é tão difícil perder a gordura localizada? Nós encontramos os receptores adrenérgicos Beta em maior quantidade na gordura visceral e menos desses receptores na gordura subcutânea, dessa forma, nós temos mais facilidade para perder a gordura visceral que a gordura subcutânea.

Quando pensamos na qualidade de vida, melhora do estado nutricional, redução dos riscos para as doenças crônicas não transmissíveis, a redução da gordura visceral é melhor se comparada à redução da gordura subcutânea, apesar de eu acreditar que todas as mulheres gostariam de perder em maior quantidade a gordura subcutânea.

Gostou dessa informação? Então fique ligado nas próximas semanas, falaremos sobre a estética e a nutrição.

Beijinhos da Nutri


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas:


Compartilhe:



26/05/2017 às 14h33m


Usar suplementos faz mal?

Os suplementos alimentares surgiram há alguns anos no mercado e inicialmente eram usados para suprir as necessidades nutricionais especiais de certos indivíduos ou grupos de pessoas. Inicialmente se observava o uso de suplementos alimentares em hospitais, para pacientes com alguma necessidade específica e principalmente com crianças que precisavam ganhar peso, como por exemplo, as fórmulas infantis para ganho de peso.

Em 1998 a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) regulamentou os suplementos alimentares no Brasil, e sua definição pelo órgão é:

"Suplementos Vitamínicos e ou de Minerais para fins deste regulamento, doravante denominados simplesmente de "suplementos", são alimentos que servem para contemplar com estes nutrientes a dieta diária de uma pessoa saudável, em casos onde sua ingestão a partir da alimentação, seja insuficiente ou quando a dieta requerer suplementação. Devem conter um mínimo de 25%, e no máximo até 100% da Ingestão Diária Recomendada (IDR) de vitaminas e ou minerais, na porção diária indicada pelo fabricante, não podendo substituir os alimentos, nem serem considerados como dieta exclusiva." PORTARIA Nº 32, DE 13 DE JANEIRO DE 1998.

Então, entendemos que suplementos alimentares são produtos que utilizamos para complementar a nossa alimentação e ingestão diária recomendada de nutrientes, seja macro ou micronutrientes.

Mas, e a pergunta que não quer calar; "Usar suplemento faz mal para a saúde?"

Quando usamos os suplementos de uma forma consciente, em um plano alimentar bem estabelecido e calculado, em situações onde realmente se faz necessário usar suplementos, a resposta para a pergunta é: Não! Usar suplementos não faz mal para a saúde.

Quando não devemos usar suplementos?
Suplementos alimentares só devem ser usados quando realmente é necessário, fora isso não devemos usar suplementos.

E quando devemos usar suplementos?
Devemos usar suplemento quando temos necessidade, como no caso de atletas, praticantes de atividade física, em algumas doenças, no caso de condições especiais como nas intolerâncias, enfim, devemos usar suplementos quando houver a necessidade/indicação para o uso.

Suplementos causam câncer, insuficiência renal ou outro tipo de doença?
Suplementos alimentares são feitos à partir de alimentos, como no caso dos suplementos de proteína, onde pode ser usado como base para a fabricação o leite, o ovo e a carne. Então, "Suplementos Alimentares", se usados de forma correta, não causam nenhum tipo de malefício para a saúde.

Mas o que pode me causar câncer ou insuficiência renal?
Quando falamos de praticantes de atividade física e atletas, o uso de substâncias como esteroides anabolizantes, o uso excessivo de suplementos proteicos, o uso excessivo de medicamentos anti-inflamatório, tudo isso pode te causar câncer e insuficiência renal.

E quem pode prescrever os Suplementos Alimentares?
O Nutricionista! Somente o Nutricionista é capacitado e habilitado para definir a estratégia nutricional que melhor se adéqua às suas necessidades. Procure sempre um Nutricionista para te orientar.


Beijinhos da Nutri.


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas:


Compartilhe:



Perfil

Giuliana de Paiva, Nutricionista formada pela Faminas, especializando em Nutrição Clínica e Esportiva. Atendendo a cidade de Cataguases e região, seu trabalho é voltado para o público praticante de atividade física e também para as pessoas que buscam qualidade de vida e mudanças nos hábitos alimentares. Trabalha com consultório, palestras, personal diet, com grupos, fazendo um trabalho totalmente individualizado e personalizado.
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: